Skip to main content
mordida aberta

Os desafios da mordida aberta esquelética

No último texto, falamos sobre mordida aberta dentária, suas implicações e formas de tratamento.

Hoje vamos apresentar a mordida aberta esquelética, maloclusão que apresenta um desafio muito maior para o ortodontista.

O que é mordida aberta esquelética?

Da mesma forma que a mordida aberta dentária, não há contato entre os incisivos superiores e inferiores (dentes da frente). Mas o que as difere é que a mordida aberta dentária está ligada a algum hábito deletério como chupar o dedo ou chupeta.

Já a mordida aberta esquelética é causada por alterações nas bases ósseas, geralmente a mandíbula, causando desequilíbrio entre os terços médio e inferior da face.

mordida aberta

E quais são as características que causam esse desequílibrio?

Observamos alguns pontos comuns na mordida aberta esquelética:

  1. Retrognatia mandibular – a mandíbula está posicionada em uma posição posterior (mais atrás) do que o normal.
  2. Rotação horária da mandíbula – essa rotação do osso mandibular afasta os dentes, principalmente os incisivos (dentes da frente). Fazendo uma analogia, funciona como uma tesoura. A rotação horária abre a tesoura (aumenta o espaço na frente). A rotação anti-horária fecha a tesoura (diminui o espaço entre os dentes na frente).
  3. Altura facial anterior inferior aumentada – a medida entre o ponto abaixo do nariz e a ponta do mento (queixo) está maior que o normal, deixando a pessoa com a face comprida.

Os hábitos deletérios, como chupar o dedo e a chupeta, potencializam a mordida aberta. Outro fator é a respiração bucal, que obriga a língua a se manter em uma posição mais projetada (a língua fica mais para frente). Essa nova postura da língua faz com que ela fique no meio dos dentes da frente, abrindo o espaço característico da mordida aberta conforme a foto abaixo.

mordida aberta

mordida aberta
Interposição lingual.

E qual o melhor tratamento para mordida aberta esquelética?

A melhor época para intervir é na fase de dentadura mista (entre 7 e 8 anos), já que o crescimento da face é determinado precocemente no crescimento e desenvolvimento do paciente (ou seja, se o paciente tem tendência a face longa, essa característica já é percebida nessa idade de 7 a 8 anos).

Caso o paciente não seja tratado nessa idade, a oportunidade de modificar o crescimento da face é perdida e só restará a opção cirúrgica para correção da maloclusão.

Veja no vídeo abaixo, do Dr, Renato Schroder, como é realizada a cirurgia de correção.

Assim, o tratamento precoce auxilia não só na solução da mordida aberta, mas também na questão estética, melhorando a aparência da criança. Em uma fase na qual é tão comum brincadeiras maldosas (bullying), uma face mais harmoniosa contribui para aumentar a autoestima da criança.

A utilização de aparelhos ortodônticos depende de cada caso e deve ser bem avaliado pelo Ortodontista. É ele quem vai definir o plano de tratamento conforme informações coletadas no exame clínico, radiográfico e cefalometrias.

Portanto, se você desconfia que seu filho possa ter mordida aberta, leve-o para avaliação com seu dentista. O diagnóstico precoce é essencial para o sucesso do tratamento.

Ficaram dúvidas?

Deixe nos comentários.

No próximo texto vamos falar sobre a mordida aberta lateral.

Até a próxima.

Um grande abraço a todos.

Deixe uma resposta


%d blogueiros gostam disto: